Cruzeiro faz fiasco e implora arrego para não dar calote

O Cruzeiro vem passando por uma situação financeira muito delicada e a dor de cabeça parece não ter fim. Com isso, o clube pediu ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais uma extensão de 180 dias do prazo de suspensão das execuções e bloqueios patrimoniais contra o clube. 

No entanto, o prazo anterior já foi vencido em janeiro deste ano, e a Lei 11.101 que regula as recuperações judicial e extrajudicial, além de falências, permite apenas uma extensão por “caráter excepcional”. Veja o que a defesa da Raposa disse:

Há risco iminente de se efetivarem bloqueios de bens da Recuperanda (Cruzeiro), principalmente de saldos bancários, que são hoje absolutamente necessários (essenciais) para a manutenção das atividades do Cruzeiro- Associação. A concretização dessa ameaça submeteria a risco os esforços de reestruturação financeira que vêm sendo implementados nesta Recuperação Judicial, frustrando seus objetivos“.

Vale lembrar que em julho do ano passado, a Primeira Vara Empresarial de Belo Horizonte aprovou o pedido de recuperação judicial do Cruzeiro. Além disso, a lista de credores foi divulgada, que somados, passam de R$ 500 milhões. O top-5 é composto pelo Banco BMG (R$ 97.791.920), Fred (R$ 48.261.447), Supermercados BH (R$ 25.394.646), Marcelo Moreno (R$ R$ 24.985.483) e Fábio (R$ 20.706.715).

Caso Fred

Recentemente, o ex-atacante Fred acionou a associação Cruzeiro e a gestão da SAF, de Ronaldo Fenômeno, na Justiça do Trabalho pela multa de quando saiu do Atlético para o clube celeste. A informação foi divulgada pelo jornalista Ancelmo Gois, no O Globo.

Multa essa que começou em R$ 10 milhões e na conta do ex-atacante, já superou a casa dos R$ 30 milhões. Nas próximas semanas uma resposta mais definitiva sobre o caso deverá acontecer.

Comentários estão fechados.